1996 Apenas quatro Pombos

24 jan, 2016 por

1996 Apenas quatro Pombos

Pois bem, em 1996 eu estava super empolgado para o campeonato, até porque além de ter uma equipe com idade para participar de todas as provas desde a Velocidade até o Fundo, a previsão era que o tempo estivesse muito favorável para provas rápidas de Velocidade. Porém, os outros sócios desistiram da Velocidade, optaram por usar a primeira prova como treino e fazer apenas duas provas valendo, sendo que enviariamos apenas 10 pombos por sócio, e o restante somente para treino, alegando que estávamos com poucos sócios e que essas provas davam muito trabalho para fazer apuração, que naquela época era toda feita à mão, além de poder descansar os pombos, para deixá-los mais preparados com foco no Campeonato Estadual que compreendiam apenas as provas de Meio Fundo e Fundo.

 

Eu queria muito poder voar o Campeonato de Velocidade, pois havia me preparado para isso, porém como ainda era iniciante na columbofilia, procurei acatar a decisão da maioria, mas não me saia da cabeça a ideia de que todos estavam com medo de levar uma surra na velocidade como no ano anterior, mas isso era apenas suposição minha. Então “entrei na onda” da associação e foquei apenas o Campeonato Estadual, poupando os pombos que voariam as provas de Meio-Fundo e Fundo, conforme meus, ainda poucos, conhecimentos permitiram.

 

Avaliando os resultados das provas anteriores, ficou claro que havia entendido quais seriam os melhores pombos na velocidade, mas ainda faltava entender alguns segredos do Fundo e Meio Fundo. Ter participado nas provas de Velocidade em 1994 foi fundamental para conseguir os resultados expressivos em 1995. Assim como ter enviado pombos para as provas de Fundo e Meio Fundo em 1995 foi fundamental para aprender alguns conceitos para este ano, mas tudo ainda era uma incógnita, teria eu no pombal, pombos capazes de competir em condições de igualdade com columbófilos mais experientes e maior número de pombos? Só o tempo poderia dizer, além disso, um fato que serviu para me encorajar, ainda antes do início do campeonato, foi ter recebido o meu primeiro Diploma da Federação Estadual pelo 3º lugar em Equipe na prova de Linhares/ES no ano anterior.

 

Então quando chegou a primeira prova de Meio Fundo, que foi de Vitória/ES com 281 Km, eu pensei que tudo que havia aprendido estava errado, pois designei muito mal meus pombos, e ainda faltaram dez dos vinte e sete pombos enviados. Assim como no ano anterior, esta prova fugiu inteiramente das regras, tudo que havia elaborado minuciosamente deu errado, mas por quê? Eu ainda não sabia, mas era apenas a questão diferencial desta prova que só fui perceber alguns anos depois.

 
Solta de Vitória em 96
 

O resultado não foi dos melhores, mas pelo menos consegui marcar os três designados para o Campeonato Estadual.

 

Mas já na segunda prova, que foi de Linhares/ES com 381 Km, voltei a confiar que todo meu trabalho estava sendo bem direcionado, pois o resultado foi novamente surpreendente, pois dos dezessete pombos que enviei, marquei sete entre os nove primeiros acertando os designados e mais uma vez recebendo um Diploma da Federação Estadual, novamente pelo 3º lugar em equipe nesta prova. Fiquei triste pois mais uma vez a perda foi significativa, foram seis pombos que não retornaram e agora restavam dez para voar o restante do campeonato.

 

Solta de Linhares em 96

 

Primeiro lugar de São Mateus

33551/94 – 1º em São Mateus

Na última prova de Meio-Fundo, que foi de São Mateus/ES com 457 Km recebi os dois primeiros pombos muito bem colocados, como ficou comprovado com a apuração do resultado, em 1º e 2º lugares respectivamente, mas a prova terminou tão rápido que o terceiro pombo, que foi registrado apenas 37 segundos após o segundo já ficou fora da marcação e com isso foram apenas dois designados para fechar o campeonato, tirando qualquer chance de uma boa classificação, pois outros columbófilos conseguiram registrar os nove designados. Mais uma vez a perda foi muito grande, mais seis pombos não retornaram e agora tinha apenas quatro fêmeas para voar todo o Fundo.

 

Solta de São Mateus em 96

 

Eu não conseguia entender o que teria me levado a perder 85% dos pombos no Meio Fundo, comecei o Campeonato Estadual com nove pombos de 1994 e dezenove de 1995, perdi simplesmente todos os pombos de 95 que inscrevi no campeonato. Acredito que errei alguma coisa durante a reprodução ou no tratamento durante a muda dos filhotes, pois nenhum pombo com anilha de 95 rendeu alguma coisa, nem mesmo nos anos seguintes, diferente dos pombos de 94 e 96.

 

Mas agora era hora de me preocupar com as provas de Fundo, e mesmo tendo apenas quatro pombos, não poderia deixar de participar, pois uma das regras do Campeonato Estadual rezava que deveria haver um número mínimo de columbófilos, no caso cinco, para que os pontos fossem considerados válidos e se eu ficasse de fora haveriam apenas quatro.

 

Primeiro lugar de Teixeira de Freitas

33653/94 – 1º em Teixeira de Freitas

Naquela época escolhíamos cinco designados, de onde valiam para a equipe os pontos dos três primeiros, mas isso não foi impedimento para mim, treinei firme com as quatro fêmeas, eram só as quatro voando, seguindo rigorosamente o treinamento determinado por mim, como expliquei no artigo “Treinos para Fundo”, a próxima prova seria de Teixeira de Freitas/BA, 590 Km, o tempo estava bom, com pouca nebulosidade, porém o vento era contra de fraco à moderado, o que fez com que o primeiro pombo levasse quase onze horas para concluir o percurso, chegando pela tardinha às 17:47, era a fêmea azul 33653/94, que conquistou o primeiro lugar na prova, eu não conseguia me conter de tanta alegria, afinal chegaram no mesmo dia apenas quatro ou cinco pombos de outros criadores e a corrida ainda estava aberta para o dia seguinte.

 

Antes do dia clarear já estava à postos esperando pelo próximo pombo, que não demorou muito, às 6:25 chegou a alumínio 33554/94 e dois minutos depois a bronze 33536/94 que conquistaram o 7º e 8º lugar respectivamente, e por pouco, muito pouco a vermelha 33551/94 não entrou no final da marcação. Com isso eu consegui a façanha de marcar 75% dos pombos enviados em uma prova.

 
Solta de Teixeira de Freitas em 96
 

Em Macaé tínhamos a vantagem de ter a referência de Campos dos Goitacazes, que fica 80 Km antes, cujos pombos eram soltos juntos com os nossos e com os de Nova Friburgo, assim calculando a velocidade dos pombos de lá, já sabíamos que horas chegariam os nossos.

 

Primeiro lugar em Eunápolis e Camacã

33554/94 – 1º em Eunápolis e Camacã

A próxima prova era Eunápolis/BA, 713 Km, o tempo estava bom com vento à favor, mas havia uma preocupação com uma frente fria que estava por chegar e poderia dificultar as coisas com chuva e vento contra, a previsão era que os pombos chegassem às 14:00 horas em Campos e 15:00 horas em Macaé, mas por volta das 13:00 o tempo virou em Macaé, a frente fria com muita chuva e ventos fortes passou em direção à Campos. Como havia sido previsto os pombos chegaram em Campos no horário esperado, pouco antes que a frente fria tivesse chegado até lá, mas os nossos pombos não escaparam. A chuva parou, o vento diminuiu, mas nenhum pombo chegava, até que às 17:03’52” chegou a alumínio 33554/94, cansada e abatida ela não se entregou, liguei mais que depressa para os outros criadores para ficarem atentos, porém nenhum outro pombo chegou no mesmo dia, por conta disso, ao anoitecer, todos foram parar lá em casa para confirmar a chegada da pombinha, ficamos todos impressionados com o seu desempenho.

 
Solta de Eunápolis em 96
 

No dia seguinte bem cedo chegou a azul 33653/94 e mais tarde a vermelha 33551/94, que se classificaram em 5º e 10º lugares respectivamente a bronze 33536/94 já se atrasou um pouco e não entrou na marcação, mesmo assim eu não me continha de tanta alegria, mais uma vez marquei os três designados e ainda liderava o campeonato de Fundo, brigando pelas anilhas de ouro e de prata com as duas fêmeas, restava agora a última prova, Camacã/BA, 821 Km.

 

O tempo não estava tão bom, havia possibilidade de chuva no trecho, o que deixou todo mundo apreensivo, mas a empolgação era tremenda, cuidei para treinar as quatro guerreiras durante o intervalo entre as provas com todo o cuidado para embarca-las na quarta-feira, três dias antes da prova no sábado. Todos os dias subia até o pombal e ficava olhando o lugar delas vazio.

 

Finalmente chegou o dia, eu não conseguia fazer nada, mesmo sabendo que os pombos só deveriam chegar depois das 16:00 horas, passei o dia inteiro olhando para cima, porém com o dia já escurecendo, não tínhamos notícias nem mesmo que algum tivesse chegado em Campos, mas à noite começaram a surgir telefonemas avisando que alguns pombos conseguiram chegar lá em Campos, isso significava que os nossos estariam perto. Todos levantamos bem cedo e a impaciência já tomava conta, pois passaram 6:00, 7:00 horas da manhã e nada, mas antes que o relógio registrasse oito horas ela chegou, a alumínio 33554/94, novamente marcando o primeiro lugar na prova e se sagrando anilha de ouro de Fundo.

 

Deste momento em diante, a expectativa foi enorme, pois o tempo passava e nada de chegar mais pombos, até que no pombal do Emilson chegou o segundo colocado, uma fêmea que levou a anilha de prata no Fundo e mais duas anilhas de ouro, uma no Meio Fundo e outra no Geral, para logo em seguida, antes das dez horas, chegar a azul 33653/94, com este resultado ela ganhou uma anilha de prata no Geral e outra no Meio Fundo, atrás da pombinha do Emilson, uma disputa emocionante, travada prova a prova.

 

Mas ainda faltava mais uma, uma única marcação poderia me dar o primeiro lugar em equipe no Fundo, o tempo ia passando, os pombos dos outros criadores chegando e nada da vermelha ou a bronze aparecerem.

 

O tempo chegou ao fim, a marcação se encerrou e assim como aconteceu com a Velocidade no ano anterior, a falta do último designado me colocou no terceiro lugar do campeonato por equipe, tudo bem, nada mal para um principiante, mas que deu uma dó de ter chegado tão perto com tão pouco deu, mesmo assim foi incrível, um ano fantástico, meus pombos venceram as quatro últimas provas, a segunda foi arrasadora, faltando apenas marcar o primeiro lugar, faltando apenas ainda decifrar os enigmas da prova de Vitória, o que serviu para me empenhar ainda mais para o próximo ano.

 
Solta de Camacâ em 96
 

Ahh… as outras duas guerreiras também regressaram, a vermelha 33551/94 por volta das 14:00 horas e a bronze 33535/94 quatro dias depois, eu tinha medo que alguma pudesse se perder, mas felizmente, tiveram a chance de participar no ano seguinte.

 
Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil

Artigos relacionados

Tags

Compartilhe

6 Comments

  1. Olá Márcio, muito emocionante o relato deste campeonato.
    Sou de Goiânia
    Saudações colúmboficas.
    PS. Continue trazendo suas experiências, são ótimas.

  2. Marcio Coelho

    Obrigado W. Ricardo, aprendi muito com minhas experiências, no início não arriscava muito, mas depois, com o tempo, fui aprendendo a explorar alguns limites sem sacrificar os pombos.

  3. Noé neves

    Emocionante amigo!

  4. Marcio Coelho

    Nem fala Noé… foi um dos anos mais incríveis que já passei na columbofilia!

  5. Benvindo Paulo Tonga Pena dos Santos

    Márcio Coelho, saudações da parte de Deus nosso Pai Celestial, fraternais e “columbóficas”.

    Muito emocionante seus artigos. Encontrei enquanto fazia uma pesquisa sobre adução.

    É magnífico, me fez ter um sonho diferente esta noite. Quero acabar de ler o último depois deste.

    Você está aumentando a minha inspiração.

    Gostaria de poder manter contato.

    Benvindo dos Santos, telemóvel:(+244) 916926454 . Email: benvindo.dossantos@hotmail.com

    Endereço: Luanda – Angola / África

  6. Marcio Coelho

    Olá Benvindo Paulo, a paz do nosso Senhor e Salvador!
    É muito bom saber que minhas experiências tem ajudado tanta gente pelo mundo afora, as coisa acontecem em todos os lugares e todo mundo tem alguma história para contar.
    Difícil é conseguir passar tudo isso para o blog na forma de artigos, tenho mais de 24.000 palavras em textos que ainda faltam formatação para serem publicadas, mas aos poucos elas vão saindo do papel.
    Espero que elas possam continuar servindo de inspiração para você.

Deixe uma resposta