Mito

31 jan, 2015 por

Mito

Comecei a criar pombos na infância, e desde cedo ouvia estórias de mal agouro, como “quando a criação vai bem o dono também vai, mas se a criação for mal o dono vai sofrer de algum mal”. Vai ficar doente, vai ficar pobre, ou seja, a vida do sujeito fica dependente da criação, se ela for bem, ótimo, mas se ela for mal, hummm… se prepare que aí vem bomba! Como foram várias pessoas a tentar “me proteger” deste mal, e como não sou supersticioso, fui buscar o motivo deste ditado e descobri algo muito curioso, o dito tem sim um fundo de verdade, a única inconsistência está no fato que a relação da desgraça está inversa, na verdade, quando a vida do columbófilo sofre algum distúrbio, os pombos são os primeiros a “pagar o pato”.

 

Então vamos supor que o columbófilo esteja passando por dificuldades financeiras, o que acontece? Ele precisa comprar milho para os pombos, mas não vai ficar ele mesmo com fome, adivinha quem vai ficar sem comida? Isso mesmo, os pombos, e sem comida são os pombos que vão sofrer, desesperados vão procurar outro lugar para se alimentar e os que insistirem em permanecer, vão ficar magros e desnutridos, então os vizinhos, que até então não sabiam de nada começam a perceber que os pombos estão sumindo e os que ficaram começam a ficar feios e doentes, quando vão procurar o motivo descobrem que o dono está todo endividado, o que vão pensar então? É CULPA DOS POMBOS, por que na verdade só ficaram sabendo da situação do pobre sujeito depois que surgiu o reflexo nos pombos, afinal ninguém sai espalhando por aí que está cheio de dívidas não é mesmo?

 

Outra situação é quando o sujeito adoece, como ele é o responsável pelo trato dos pombos e normalmente ninguém mais da família gosta deste enfado, os pombos novamente vão pagar o pato, principalmente se o sujeito cair de cama e não puder nem alimentar os bichinhos, quando os vizinhos começarem a dar por falta dele os pombos já sumiram, de quem vai ser a culpa mais uma vez pela desgraça do columbófilo, DOS POMBOS é claro.

 

Ainda tem quando o sujeito tem uma desilusão amorosa, fica desgostoso da vida e acaba esquecendo dos pombos, coitados, além de ficarem sem dono ainda levam a culpa por desgraçar a vida do sujeito.

 

Agora você já sabe, quando os pombos de algum criador conhecido seu começarem a sumir ou ficar doentes, vá oferecer-lhe ajuda pois de algum mal ele está sofrendo, e os seus bichinhos de estimação não estariam mal se ele estivesse bem, afinal quem gosta dos pombos não os deixa na mão sem um motivo grave, não é mesmo.

 
Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil

Artigos relacionados

Tags

Compartilhe

11 Comments

  1. jorge antonio da silva

    ola amigo quero saber como faco para adquirir pombo correio ja faz tmp q estou tentandi mas nao sei como adquirir.quem sabe o sr pode me ajudar att jorge

  2. Marcio Coelho

    Olá Jorge, Hoje em dia já é possível comprar pombos-correio até pela internet, mas se você não tiver conhecimento suficiente não é muito aconselhável, o melhor seria adquirir diretamente de um criador credenciado.
    Sugiro que você entre no site da Federação Brasileira, no link http://www.fcb.org.br/socios.php, este link é da busca de sócios, você clica onde está escrito “Escolha o tipo de Busca” clica em cidade e na caixa de texto ao lado onde diz filtro: escreva o nome da sua cidade, então irá aparecer uma lista de sócios que existam em sua cidade, escolha um e clica em “Detalhes” que irá aparecer endereço e telefone para contato deste criador.
    Caso não haja nenhum criador em sua cidade, volte a busca e clica em buscar por Estado, escreva o nome do seu Estado.
    Se mesmo assim não aparecer nenhum me informe a sua Cidade e Estado que procuro alguém mais próximo a você que possa atendê-lo ok.

  3. Roberta

    Boa tarde Marcio, a criação de pombos comuns é parecida com a de pombos correio?

  4. Marcio Coelho

    Sim Roberta, é bem parecida, os pombais podem ser os mesmos, a ração também, a diferença fica por conta dos treinamentos dos voos diários que é específica para pombos de competição, enquanto para pombos comuns não são necessários. As solturas diárias podem ser livres ou controladas como se faz com os pombos-correio.
    Lembrando que todas as raças de pombos conhecidas são variações de uma mesma espécie, a pomba das rochas, “Columba lívia” e que segundo Darvin os pombos comuns seriam a expressão mais próxima de seus ancestrais.

  5. Roberta

    Muito obrigada por responder Marcio!
    Faz 1 mês que estou cuidando de um pombo que encontrei ainda filhote, mas acho que ele está demorando pra aprender a voar, ele bate bate as asas mas não sai do lugar.
    Gostaria de mais orientações, tem algum outro canal de comunicação com vc?
    Obrigada.

  6. Roberta

    Ah, tb gostaria de saber o sexo do animal, como saber?

  7. Marcio Coelho

    Olá Roberta, não tem de quê!
    Realmente ele está demorando a voar, normalmente os filhotes já começam a voar com 30 dias de vida no máximo. o bater as asas parado sem sair do lugar é normal para os filhotes, eles fazem isso mesmo quando estão começando a voar, mas se ele não consegue levantar voo, pode ser que as penas das asas estejam com as barbelas danificadas.
    Veja se ao abrir as asas elas ficam como um leque, com as extremidades das penas presas umas às outras, como se fosse uma única peça! Se houverem falhas nessas áreas, ou as penas ficam separadas na hora de abrir as asas ele não conseguirá alçar voo, pois por mais que faça força não irá sair do lugar.
    Tem o Facebook https://www.facebook.com/marcio.coelho.3597

  8. Marcio Coelho

    Quanto ao sexo, aprendi desde pequeno a identificar pelo formato da cabeça!
    Olhando lateralmente, a cabeça dos machos tem um bico mais curto e grosso, com uma testa mais pronunciada.
    Já as fêmeas tem o bico mais longo e afinalado e o seu alinhamento é quase perfeito com a cabeça.
    Mas esta técnica fica mais fácil por comparação, olhando um pombo apenas fica difícil distinguir logo no início, mas depois de alguma prática, logo aprendemos a fazer a diferença. É como olhar as pessoas na rua e identificar quem é homem ou mulher, só pela aparência. Mas lógico que assim como acontece com as pessoas, também erramos com os pombos também.
    É possível também verificar pela cloaca para identificar os órgãos sexuais, mas eu nunca tive esta curiosidade, pois raramente errava o sexo dos pombos desta forma, até por que os pombos quando estão em comunidade, os machos logo se destacam cortejando as fêmeas depois de cinco a seis meses de vida.

  9. Roberta

    Ontem mesmo vi um macho “paquerando” uma fêmea, e fique observando os dois, realmente tem bastante diferença e é mais fácil quando os dois estão perto.
    Seu site é demais! Muito obrigada pelas dicas e conselhos.

  10. Marcio Coelho

    Muito obrigado Roberta, não tem de quê!
    A ideia do site é essa mesmo, de ajudar a perceber aquilo que na prática leva tempos para descobrir!

  11. Roberta

    Valeu! 😉
    Tô aprendendo muito.

Deixe uma resposta