Olá Columbófilos

28 jan, 2015 por

Olá Columbófilos

Caros amigos, este blog ainda está em construção! Em breve haverão muitas informações para você, no momento eu não estou criando pombos-correio, tive que parar por algumas questões pessoais, mas pretendo voltar em breve.

 

Este Blog na verdade é para mim um manual, onde estou descrevendo aquilo que aprendi, para eu mesmo poder aplicar quando voltar. É uma forma de me manter vivo naquilo que é uma paixão para mim e uma forma de ajudar, tanto aqueles que estão começando, como aqueles que já criam há anos aprender coisas novas.

 

Uma vantagem, é que por não ter que estar em casa cuidando dos meus próprios pombos, tenho a oportunidade de olhar de fora os outros pombais, e perceber detalhes que eu não podia ver antes, quero portanto agradecer aos amigos que tem me ajudado e colaborado com ideias e imagens que estão disponibilizadas aqui.

 

Peço também a compreensão dos leitores, pois produzir textos com alto nível de conhecimento, carece de muito estudo e dedicação, o que envolve também muito tempo. Como a quantidade de informação é muito grande e eu não pretendo aqui simplesmente trazer conhecimentos que já estão disponíveis na internet, mas sim novidades, ou então detalhes mais aprofundados do que já está disponível, isto pode levar algum tempo, portanto embora muitos artigos interessantes já estejam disponíveis, alguns podem demorar um pouco ainda.

 

Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil

Artigos relacionados

Tags

Compartilhe

14 Comments

  1. Sr. Marcio desculpe minha intromissão, mais por que no momento o Sr. está fora da columbofilia(claro se puder ser dito)?

    Pergunto pois creio que existem muitos empecilhos para quem cria, continuar ativo no esporte e para quem não faz parte, entrar nesse mundo columbófilo.

    Eu mesmo a algum tempo admiro a pratica, porém devido a falta de espaço físico (pois moro em apartamento) ainda não iniciei no mundo columbófilo. Estou tentando encontrar uma solução para essa “pequena barreira”.

    Abç.

  2. Marcio Coelho

    Eu apenas não estou criando pombos.
    Tive de parar por motivos pessoais, e estou aproveitando para me formar Biólogo, faço planos em voltar, mas no momento até o trabalho não permite.
    O blog é justamente para manter um registro que eu mesmo possa utilizar.
    Continuo membro da Associação em minha cidade, onde ocupo um cargo de dirigente e sou o responsável pelo transporte dos pombos nos embarques para treinos e provas.

  3. ola,parabens ,pela contribuiçao, e divulgaçao da columbofilia, sou Gilson columbofilo,barbacena,mg.

  4. Marcio Coelho

    Olá Gilsom, obrigado pela atenção, fique à vontade!

  5. bom dia Marcio,

    Desculpe por aproveitar este espaço,

    Sou um criador de pombos correios de Moçambique, infelizmente aquí nao temos acesso a medicação preventiva apropriada para os pombos e tenho recorrido a medicamentos básicos para aves (galinha mais concretamente) mas sem muito sucesso.

    Optei recentemente por começar a usar o vinagre de maça, o alho e o mel mas com algumas duvidas sobre as quantidades (dosagem) e a periodicidade com que devo administrar.

    Tenho lido bastante sobre isto mas associando as informacoes fico sem saber o que fazer exactamente.

    Gostaria que me desse algumas dicas em relacao a este assunto.

    Meus cumprimentos

    Júlio Ferreira

  6. Marcio Coelho

    Olá Júlio, você não tem do que se desculpar não, este espaço é para isso mesmo, pode ficar à vontade para perguntar.

    Sei bem o que é isso, quando comecei a criar pombos, aqui no Brasil não tínhamos medicamentos específicos para pombos também não, e usava medicamentos para outros animais como galinhas, outros pássaros ornamentais ou de canto e até medicamentos para cães e gatos. Hoje o que mudou foi que passamos a ter mais acesso à medicamentos importados da Europa, principalmente de Portugal.

    Olha, esta não é muito a minha área não, ainda não fiz uso de nenhum destes. Quem eu sei que optou por usar estes elementos no trato com os pombos é o ALEXANDRE MARIA PEDRO, de Portugal, você pode ver o que ele escreveu sobre este assunto neste site aqui em baixo, é só clicar em NOTÍCIAS e escolher o tema que lhe interessar e clicar em cima, é aqui que eu venho quando preciso obter alguma informação sobre estes produtos.

    http://www.alexandrepedro.loftgest.com/

  7. Kanimambo (Obrigado) Marcio

    Agradeço pela sua sinceridade, meus pombos sao como meus filhos… Quero sempre o melhor para eles.
    Tambem tenho lido alguns artigos publicados pelo Grande alexandre Pedro. . . e me tem ajudado bastante.
    Mais uma dica, se nao for abusar muito da sua paciencia:
    Tenho notado que um e outro dos meus pombos sempre que faço uma largada fica murcho.
    Gostaria de saber, pela sua experiencia, a que se deve isso, como posso prevenir e como lidar com os pombos apos a sua chegada?

    Agradecimentos

    Julio Ferreira

  8. Marcio Coelho

    Júlio, fica difícil saber o que pode ser sem olhar o pombo, Salmoneloses e Tricomonas podem provocar este abatimento, ou mesmo uma Ornitose.
    Mas pode ser algum problema mais simples, como a falta de algum nutriente na alimentação. Como é a alimentação antes da largada? os pombos comem o suficiente ou você diminui a ração para voarem mais leves?

  9. julio ferreira

    Oi Marcio,

    Tudo bom?
    comuniquei-me com o Alexandre e ele deu-me a dica que tambem pode ser a falta de glicogenio ao nivel muscular das aves…. Realmente nunca havia pensado nisso. estou agora a pesquisar o que posso dar, uma vez que nao tenho localmente produtos veterinarios para este fim, para ajudar as aves neste sentido.

    Outra das coisas que noto é o surgimento de um e outro caso de Tricomona, e tenho recorrido ao uso de Metronidazol como alguns artigos aconselham, mas eu gostaria de ser mais preventivo e com produtos naturais ao invés de estar a dar constantemente produtos farmaceuticos.

    Quanto a alimentacao, nao tenho variado, dou sempre o mesmo e procuro dar uma alimentacao o mais variado possivel. ela tem sido issencialmente a base de milho e grao de trigo, e adiciono em pequenas quantidades o amendoin, girassol, ervilha, arroz, feijao e um pouco de racao balanceada para frangos e por fim e uma pitada de sementes de linhaça e sal.

    Infelizmente a alimentacao ta muito cara mas tento fazer os possiveis.

  10. Marcio Coelho

    Olá Júlio, o glicogênio é produzido exclusivamente no fígado, a partir de glicose gorduras e proteínas absorvidas pelo intestino, para repor o estoque de energia de utilização imediata. O excesso é transformado em gorduras LDL e HDL principalmente e enviados para os adipócitos nas células de reserva (aquela famosa gordurinha acumulada) e só é utilizada quando o pombo não tem alimentos para absorver.

    Uma causa para redução do glicogênio a nível muscular pode ser a infestação de bactérias, fungos ou protozoários no sistema digestório que reduzem a capacidade de absorção do intestino, seja pela obstrução dos canais de transporte, ou pela destruição das células epiteliais da parede intestinal. O uso continuado de antibióticos também danifica a parede intestinal, diminuindo a absorção. Menos nutrientes absorvidos, menos glicogênio produzido, o pombo emagrece e perde peso, isso provoca uma queda na imunidade que permite a infestação de “doenças oportunistas” que pode ser o caso da Tricomona.

    Se você já aplicou antibióticos em seus pombos por um período prolongado, procure suspender os medicamentos e utilizar um complemento vitamínico juntamente com a aplicação de probióticos (a levedura de cerveja também é um probiótico). Neste artigo aqui em baixo eu explico sobre a utilização dos probióticos. Os probióticos são benéficos ao organismo e ocupam o intestino, disputando espaço com bactérias e protozoários maléficos, promovendo uma melhora no bem-estar geral do pombo.
    http://comocriarpomboscorreio.com.br/2015/04/15/probioticos-e-prebioticos/

    O resultado não é imediato, pode levar alguns meses, mas depois que o pombo ganha forma, dificilmente a perderá.

    Quanto a alimentação o caminho é este mesmo, uma ração balanceada não fica muito barata mesmo não, mas podemos optar por alterar para sementes mais baratas. Aqui no Brasil o milho tem preço bem acessível e chega a compor até 50% da ração. Apenas são necessárias algumas mudanças na sua composição para atender as diferentes fazes durante o ano, como muda, reprodução, competição, etc. que exigem valores diferenciados de nutrientes.

  11. julio ferreira

    Bom dia Marcio,
    Comecei a seguir as suas dicas em relacao aos artigos do Pedro e tenho aplicado os seus conselhos e deparei-me em alguns casos com algunas duvidas nos seus artigos, como por exemplo:
    1-O Soro de leite preparado com alho contra parasitas internos, como deve ser administrado? Qual a periodicidade, quantos días?
    2-Como faço o tonico levanta mortos, é o chá com alho, gengibre e canela ou é outro produto?
    3-Posso adicionar mel no chá de cebola roxa e eucalipto contra Tricomonas?
    4-Que quantidades de sal marinho e soro fisiológico devo usar para fazer um descongestionante nasal?
    5-Posso conservar este chá de um dia para o outro na geleira, isto é, faze-lo a noite e administra-lo de manhã?
    Tenho tido casos de tricomonas recorrentes nos meus pombos, e ja nao sei mais quais sao as principais causas realmente? Perguntei para o proprio Pedro e deu-me uma resposta extremamente desagradavel para um columbofilo de renome. . . . “caro sr todas as suas perguntas estão nos meus artigos basta ler e reler, como deve entender o meu tempo será pouco para responder em pormenor a tantas solicitações ok desculpe obrigado ”
    Muito obrigado,

  12. Marcio Coelho

    Olá Júlio, como estão as coisas aí em Moçambique? Aqui no Brasil estou voltado hoje de um grande feriado nacional, o Carnaval, estava na casa de parentes junto com outros familiares.
    Mas vamos lá, vou tentar responder suas dúvidas.
    1-Quanto ao soro de leite, neste caso ele é um prébiótico, ou seja é utilizado como alimento para lactobacilos que podem viver no intestino grosso dos pombos, então deve ser utilizado todos os dias em pequenas quantidades, isso por que os lactobacilos precisam permanecer vivos e com saúde, para ocupar o espaço intestinal e não permitir a presença dos parasitas internos.
    2-Sobre o tônico levanta mortos, este eu não vou poder responder, por que eu também desconheço.
    3-Antes de ter medicamentos específicos para pombos, eu usava medicamentos com derivados imidazólicos: Emtryl, Aletil e Flagyl, os dois últimos de uso humano, nunca usei o chá de cebola rocha e eucalipto, então não tenho como confirmar isso para você. A princípio você poderia adicionar o mel sem problemas, mas aconselho a usar a mistura somente até três horas depois de feita.
    4-O soro fisiológico já contém a quantidade de sal ideal, então penso que não haveria necessidade de acrescentar sal marinho.
    5-Os chás devem ser utilizados logo após a sua confecção, pois vão perdendo sua função a medida que o tempo passa, e preferencialmente devem ser utilizados na temperatura ambiente, nunca dê nenhuma bebida gelada aos pombos. Se você fizer o chá à noite para oferecer aos pombos somente pela manhã, eles podem até perder parte de sua função, isso se não perder totalmente.
    Se você tem tido casos recorrentes de tricomonas, deve investigar qual é a fonte. senão não haverá remédio que dê jeito, nem fármaco natural nem industrial. Há alguma outra criação de qualquer animal que possa estar servindo como fonte para as reinfecções, como galinhas por exemplo? As instalações fornecem uma boa aeração e ventilação para que os pombos mantenham a forma? Há pombos demais no pombal? Qual a fonte de água para os pombos? Lava os reservatórios de água todos os dias?
    Quanto ao Pedro, tanto ele, quanto eu, ainda temos muitas dúvidas sobre os pombos, e o pouco conhecimento que temos foi fruto de muita pesquisa e dedicação, como você já deve ter percebido, não há respostas prontas para os nossos questionamentos e aprender leva tempo, o que nós fazemos é deixar escrito um pouco do que aprendemos, para que aqueles que estão começando tenham uma fonte para pesquisar.

  13. julio ferreira

    Oi Marcio,

    Ta Tudo joia por aqui, tambem estamos na epoca do carnaval por aqui….é uma grande festa.
    Concordo plenamente consigo, comecei agora a administrar produtos naturais e tenho tentado sem muito sucesso estabelecer contacto com alguns columbofilos brasileiros uma vez termos as mesmas condições climatica afim de ter poder fazer um plano mensal para usar elementos como o alho, o mel, o vinagre, limão, o oleo de oregao, o yogurt natural e o soro de leite.
    Por acaso tenho muitos tipos de aves, patos, gansos, marrecos, galinhas, pavoes, garnizes, codornas e alguns pombos exoticos, mas cada tipo em seu proprio espaço, contrui recentemente uma gaiola para os pombos exoticos onde misturei os meus pombos correios reprodutores com algumas rolas e as garnizes e sem dúvida pode ser esta a fonte das doenças… Infelizmente.

    Lamentei bastante nao poder ter tido esclarecimentos sobre os artigos do Alexandre. teriam sido de muito utilidade, mas para frente é que é o caminho e nesta batalha vamos aprendendo sempre e todos os dias assim como aprendemos com os nossos erros.

    Agradeço bastante a sua paciencia.

    Um grande abraço

  14. Marcio Coelho

    Ok Júlio, não tem de quê.
    O tricomona, ou tricoma, é muito mais comum em galinhas que em pombos e o contágio é muito grande através da água, compartilhar bebedouros, ou permitir que as galinhas tenham livre acesso às fontes de água, são os maiores meios de transmissão. Se você combater os tricomas das galinhas a reinfestação nos pombos patos e marrecos tende a diminuir.

Deixe uma resposta